Educação

Livros usam fotografias para mostrar infâncias da África

Enquanto crianças de todo o Brasil desembrulham presentes para comemorar o Dia da Criança, o garoto Geedi gira um aro de bicicleta com um arame, Deng corre em volta de um campo de futebol para se livrar dos pesadelos e uma velha bruxa rói o tronco de um baobá com o seu único dente.

As histórias são fictícias, mas ajudam a conhecer um pouco das diferentes infâncias africanas, tão presentes neste lado do Atlântico. Elas e outras tantas foram reunidas em dois livros que são, ao mesmo tempo, parecidos e opostos. Começamos pelas semelhanças.
"Dois Meninos de Kakuma" (ed. Pulo do Gato) e "Contos de Moçambique" (ed. FTD) fogem das ilustrações e apostam na fotografia para conduzir a narrativa. Cliques de meninos e meninas, paisagens e a rotina dos vilarejos enchem os olhos e ajudam a falar sobre a meninice e as histórias do continente africano. E carregam o leitor para um mundo muitas vezes desconhecido, mas historicamente muito próximo.

No primeiro livro, a pesquisadora Marie Ange Bordas utiliza fotoilustrações para narrar a vida de dois garotos refugiados, Geedi e Deng, inventados a partir de histórias reais.

A autora passou o verão entre 2003 e 2004 no campo de refugiados de Kakuma, no Quênia, onde adultos e crianças moram mais do que provisoriamente -fugidas da guerra, da perseguição e das mais diferentes causas que fazem um ser humano abandonar o seu país e as suas raízes, mais de 200 mil pessoas vivem ali desde 1992, com o apoio da Acnur (agência da ONU para refugiados), do governo do Quênia e de diferentes ONGs.

Embora ...

Cafè Gosto Bom

... as imagens retratem a realidade áspera de um acampamento no meio do deserto, elas transbordam poesia. A partir das fotos captadas, Marie Ange cria montagens, produz colagens e sobrepõe ilustrações. Alguns dos desenhos e das esculturas inseridas nas cenas foram feitos por crianças e adolescentes de Kakuma.

Um arame farpado, então, ganha a forma de asas nas costas de um garoto. Mapas se entrelaçam com as linhas das mãos. Um menino sem pátria forma raízes saindo dos pés. Flores, peixes e folhas invadem e colorem a terra árida. Tudo com delicadeza, mas sem perder a contundência.

Já em "Contos de Moçambique", o fotógrafo Christian Piana investiga as histórias orais do país e, enquanto as coleta, registra com sua câmera a comunidade rural de Caia.

Entre uma lenda e outra, surgem mulheres com latas na cabeça, casas com telhado de palha, curandeiros e velhas árvores. As fotografias selecionadas são muito mais documentais e formam o retrato de um Moçambique escondido que, embora afastado até da capital do país, Maputo, é muito atual.

A interação dessas imagens com os contos fazem surgir novas leituras. Cada texto traz uma história tradicional, vinculada à cultura antiga do país. São heróis que enfrentam bruxas, cágados que fazem amizade com macacos, cachorros que se vestem de gente, humanos que nascem de animais grávidos.

Narrativas que hoje são contadas principalmente às crianças e que trazem os mesmos traços dos mitos e dos contos de fadas, fundamentais para que o ser humano conhecesse a si mesmo e pudesse viver em sociedade numa época em que as pessoas se encontravam ao redor da fogueira.

Em "Contos de Moçambique", a imaginação e o fantástico rondam as palavras. A realidade está no campo da imagem.
Já em "Dois Meninos de Kakuma" ocorre o inverso. São as fotoilustrações que trazem a metáfora e o mundo dos sonhos. O texto, por outro lado, é duro como a vida real.

Nele, conhecemos Geedi. O garoto nasceu no próprio campo de refugiados, para onde sua mãe fugiu quando estava grávida. Seu amigo Deng, por sua vez, teve que escapar sozinho dos conflitos no Sudão e chegou ao refúgio sem nenhum familiar.

"Talvez Geedi tenha sorte de não ter conhecido outra vida, assim ele não sente saudades. Quem sabe eu não pensasse tanto no passado se tivesse uma mãe que se preocupasse comigo, como a mãe de Geedi, que lhe prepara 'canjeero' para o almoço todos os dias. Sinto muita falta de minha mãe. Da minha família. Estarão a salvos, em algum lugar? Será que fui o único que sobreviveu?", se pergunta Deng no livro. Na fotografia, crianças brincam com argila. Boizinhos ilustrados passeiam pelas páginas.

Feliz Dia da Criança.

"DOIS MENINOS DE KAKUMA"
AUTORA Marie Anges Bordas
EDITORA Pulo do Gato
PREÇO R$ 54,60 (2018, 72 págs.)
Leitor intermediário + leitura compartilhada

"CONTOS DE MOÇAMBIQUE"
AUTORA A Christian Piana
ADAPTAÇÃO o Luana Chnaiderman de Almeida
EDITORA FTD
PREÇO R$ 46 (2017, 96 págs.)
Leitor intermediário + leitura compartilhada

RECEBA O NOSSO BOLETIM EM SEU E-MAIL!

--