Domingo, 28 de Fevereiro de 2021 03:17
45 99954 3000
Agronews Inovação

Projeto desenvolvido pelo Senai dá novo destino à palha de cana-de-açúcar com desenvolvimento de produto inovador

Além de solucionar questão agrícola, produto pode ser utilizado em embalagens, revestimento acústico ou na construção civil, substituindo peças com madeira de reflorestamento

22/02/2021 15h15 Atualizada há 5 dias
129
Por: Thiago Willian Fonte: Ana Carolina Bendlin - Assessoria
Divulgação
Divulgação

Desde que a queima da palha de cana-de-açúcar foi proibida por lei, em 2002, foi necessário encontrar um novo destino para o resíduo. Pensando nisso, a equipe do Instituto Senai de Tecnologia em Celulose e Papel se uniu à Empresa Brasileira de Pellets (EBP) para resolver a questão. Ao final da pesquisa, o grupo não apenas encontrou uma solução para o problema como desenvolveu um novo produto sustentável para colocar no mercado. 

“Com o objetivo de solucionar o problema de acúmulo de palha no campo, chegamos à criação de painéis que podem ser utilizados na construção civil para substituir peças fabricadas com madeira de reflorestamento”, explica Adriane de Fátima Queji de Paula, coordenadora do IST Celulose e Papel. “Além de garantir preços mais acessíveis e utilização de resíduos causadores de danos ambientais, o produto ainda pode ser usado para outros fins, como embalagens e revestimento acústico”. 

De acordo com Roberto Felipe Gomes, engenheiro químico da EBP, a grande vantagem do produto é, sem dúvida, a questão ambiental, pois “a sua produção não requer a destinação de nenhuma nova área agrícola”. Ele conta que, ao longo da pesquisa, a partir dos volumes gerados de palha pela colheita mecanizada da cana, passaram a procurar aplicações que agregassem valor econômico e ambiental para o resíduo, sendo a fabricação dos painéis de partículas aglomeradas o projeto escolhido. “Em qualquer que seja a aplicação, construção civil ou outro, teremos como importante diferencial um produto com impacto florestal zero em relação aos painéis disponíveis atualmente”, comenta o engenheiro.

Ana Carolina Nascimento, pesquisadora do IST em Celulose e Papel, reforça os benefícios do produto para toda a cadeia produtiva e para o mercado como um todo. “A crescente demanda por madeira reflorestada por parte da indústria de papel e celulose torna estratégico o desenvolvimento desses painéis, utilizando um resíduo pouco explorado e gerado em grandes quantidades no Brasil. A proposta de fabricação desses painéis também vem de encontro com a proposta de práticas sustentáveis em toda linha de produção, contribuindo com o meio ambiente e agregando valor a resíduos, que geram impactos ambientais, além de beneficiar indiretamente a indústria sucroenergética, por ser fornecedora da matéria-prima, da caracterização ecológica do produto e do empreendimento.” 

O Instituto Senai de Tecnologia em Celulose e Papel

O IST em Celulose e Papel faz parte de uma rede de sete institutos de tecnologia do Senai presentes no Paraná e oferta ensaios laboratoriais e relatórios técnicos para o setor de celulose e papel; pesquisa aplicada e projetos de inovação; desenvolvimento de novas aplicações para resíduos lignocelulósicos e aproveitamento de resíduos. De 2013 a 2020, o Instituto já aprovou junto às indústrias 38 projetos de inovação, sendo que 13 deles estão em fase de execução e os demais já foram concluídos. Para conhecer, acesse: senaipr.org.br/tecnologiaeinovacao/nossarede/celuloseepapel

 

SOBRE O SISTEMA FIEP

O Sistema Fiep é composto pela Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep), Serviço Social da Indústria (Sesi), Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) e Instituto Euvaldo Lodi (IEL). As instituições trabalham integradas em prol do desenvolvimento industrial. Com linhas de atuação complementares, realizam a interlocução com instâncias do poder público, estimulam o fomento de negócios nacionais e internacionais, a competitividade, a inovação, a tecnologia e a adoção de práticas sustentáveis, e oferecem serviços voltados à segurança e saúde dos trabalhadores, à educação básica de crianças, jovens e adultos, à formação e aperfeiçoamento profissional, à formação de nível superior, além de capacitação executiva.

 

Leia também: Série vai desbravar o Paraná que alimenta o mundo

 

Siga o Jornal Integração nas redes sociais e fique bem informado:
Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias