Sábado, 31 de Julho de 2021 03:26
45 99954 3000
Dólar comercial R$ 5,21 2.57%
Euro R$ 6,18 +2.34%
Peso Argentino R$ 0,05 +2.46%
Bitcoin R$ 228.679,6 +1.22%
Bovespa 121.800,79 pontos -3.08%
Economia Agronegócio

Novo status sanitário permite ao Paraná acessar mercados que pagam até 50% mais

Antes do reconhecimento o Estado estava fora de 65% dos negócios mundiais de carne suína por vacinar o seu rebanho bovino.

02/06/2021 15h02 Atualizada há 2 meses
127
Por: Giovanna Trevelin Fonte: Sistema FAEP/SENAR-PR
foto: pixabay
foto: pixabay

O reconhecimento internacional como área livre de febre aftosa sem vacinação coloca o Paraná em um outro patamar, que permite acessar mercados que pagam mais pelos produtos com essa chancela de qualidade. Em 2007, Santa Catarina obteve a certificação da OIE, o que permitiu um novo olhar dos consumidores internacionais para seus produtos. O que o Paraná tem a aprender – e mesmo copiar – do seu vizinho? 

“O mais difícil é abrir os mercados”, lembra Enori Barbieri, vice-presidente da Federação da Agricultura e Pecuária de Santa Catarina (Faesc), ex-secretário estadual de Agricultura e ex-presidente da Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc), órgão que atua de forma semelhante à Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar) na promoção da sanidade animal e vegetal. “Tem que conquistar os países compradores. Os mercados demoraram para abrir. Os primeiros apenas em 2012, cinco anos após a conquista da certificação”, complementa. 

Em 2014 foi aberto o mercado do Japão, em 2015 vieram os Estados Unidos e, somente em 2017, a Coreia do Sul.

Expectativa 

Mas afinal, qual a vantagem de disputar espaço nesses mercados ditos “nobres”? 

Usando como referência o preço pago por quilo de suíno exportado de Santa Catarina para o Japão, um mercado nobre, e para outros países da chamada Lista Aberta, como Chile e China, é possível notar a diferença. Os japoneses pagam até 50% a mais.

Além de valorizar a produção, a expansão do mercado por si só é extremamente positiva neste momento, de modo que vem animando os agentes da cadeia da suinocultura. “O Paraná estava fora de 65% do mercado mundial de carne suína porque vacinava o seu rebanho bovino. Agora poderemos acessar todos esses mercados”, diz Valter Vanzella, presidente da cooperativa Frimesa, maior indústria de carne suína do Estado e quarta maior do Brasil, com abate na casa dos 8 mil animais por dia de cinco cooperativas paranaenses (Copagril, Lar, C.Vale, Copacol e Primato). 

Atualmente, a Frimesa exporta 20% da sua produção para os países da Lista Aberta, como Hong Kong, Angola, Viet-nã e Uruguai, que aceitam o produto de regiões com vacinação. “Hoje, o Brasil está exportando como nunca, mas os preços entre um mercado e outro são bem diferentes”, observa Vanzella. 

O dirigente da Frimesa sabe que o ingresso nestes mercados também não se dará automaticamente. “Alguém já está fornecendo para eles, então não vamos simplesmente anunciar e vender. Vai ser uma luta”, pondera. 

A expectativa do presidente da Associação Paranaense de Suinocultores (APS), Jacir Dariva, também é grande, a ponto de que, futuramente, o mercado internacional absorva quase a totalidade da produção paranaense. “Não é tanto a questão financeira, mas o leque de novos mercados que vai se abrir. Como estamos expandindo a produção no Paraná, precisamos de mercados que com-prem”, revela. 

E o boi? 

Apesar da importância estratégica desta cadeia no processo de certificação internacional do Estado, trata-se de um setor que não deve colher imediatamente os frutos dessa conquista. “A principal consequência desse status sanitário não é para o bovino de corte, mas para os suínos, e ajuda outros setores também, seja aves ou grãos”, observa o produtor Rodolpho Botelho, presidente da Comissão Técnica de Bovinocultura de Corte da FAEP e do Sindicato Rural de Guarapuava. 

“O Paraná nunca vai ser grande produtor de boi gordo, isso em função do seu tamanho que é apenas 2,3% do território nacional. Não tem como competir com outros Estados. Temos que trabalhar com carnes diferenciadas, nichos específicos, para agregar valor à nossa produção”, observa o dirigente. 

A empresa Cooperaliança, localizada em Guarapuava, trabalha com o nicho de carnes nobres no Paraná. No momento, o frigorífico foca as atividades da empresa no mercado interno, até porque ainda não tem habilitação para vender para os mercados internacionais que poderiam pagar mais pela qualidade. Mesmo assim, a conquista do novo status sanitário tem trazido novidades. 

“Já temos uma visita agendada de empresários japoneses para visitar a nossa planta”, revela Edio Sander, presidente da Cooperaliança.

 

Siga o Jornal Integração nas redes sociais e fique bem informado:
Facebook: https://www.facebook.com/jornalintegracaopr/
Instagram: https://www.instagram.com/jornalintegracaopr/
Telegram: https://t.me/jinte

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias