Sábado, 31 de Julho de 2021 03:17
45 99954 3000
Agricultura Santa Catarina

Plantio direto leva produtividade e saúde às lavouras de mandioca

O caminho para tornar a agricultura catarinense cada vez mais sustentável passa pelo Sistema de Plantio Direto de Hortaliças (SPDH). Esse modelo de...

15/06/2021 18h35
71
Por: Da Redação Fonte: Secom Santa Catarina
Foto: Divulgação/Epagri  O caminho para tornar a agricultura catarinense cada vez mais sustentável passa pelo Sistema de Plantio Direto de Hortaliças (SPDH). Esse modelo de produção que engaja famílias na transição da agricultura convencional para a agroe
Foto: Divulgação/Epagri  O caminho para tornar a agricultura catarinense cada vez mais sustentável passa pelo Sistema de Plantio Direto de Hortaliças (SPDH). Esse modelo de produção que engaja famílias na transição da agricultura convencional para a agroe

O caminho para tornar a agricultura catarinense cada vez mais sustentável passa pelo Sistema de Plantio Direto de Hortaliças (SPDH). Esse modelo de produção que engaja famílias na transição da agricultura convencional para a agroecológica mostra suas vantagens em um número cada vez maior de culturas – e uma das novidades promissoras é a produção de mandioca. Alcançar cada vez mais sustentabilidade na agricultura é um dos objetivos do governo Carlos Moisés.

 

O objetivo do SPDH é manter o conforto das plantas, minimizando o estresse ligado a fatores como temperatura, umidade, salinidade e pH do solo, luminosidade e ataque de pragas e doenças. Para isso, o agricultor adota práticas como proteção permanente do solo com palhada, revolvimento restrito à linha de plantio, rotação de culturas e nutrição baseada nas taxas de absorção de nutrientes.

As plantas respondem com saúde e produtividade. Nos 149ha de cultivo de mandioca em SPDH acompanhados pela Epagri em Santa Catarina, a produtividade média é de 32,5t/ha, enquanto a média no cultivo convencional é de 17t/ha. O sistema reduz gradativamente os problemas com pragas e doenças. Na aplicação de herbicidas, há redução de 50%.

Com o solo protegido e bem manejado, as plantas sofrem menos quando há estiagem. Em 2020, enquanto os cultivos convencionais de mandioca registraram perdas de 25% a 30% pela falta de chuva, as lavouras em SPDH acompanhadas pela Epagri tiveram perdas de 5% a 10%.

 

A colheita também fica mais fácil e o aproveitamento das raízes é maior, já que o descarte por defeitos cai de cerca de 20% para 5%. “A principal diferença que a gente vê é que no SPDH a qualidade do solo é muito melhor e que as plantas sofrem bem menos na estiagem. No sistema convencional o solo fica exposto, sofre mais com a erosão, e dá bastante trabalho para retirar os inços”, acrescenta Izelda de Lima, agricultora de Seara.

Nessa propriedade, o apoio da Epagri vai da lavoura à comercialização. A família recebeu suporte na criação e legalização de uma agroindústria de mandioca descascada e congelada, participou de capacitações e entrou para uma cooperativa. A propriedade se tornou uma unidade de referência em cultivo de mandioca e serve para disseminar boas práticas a outros agricultores. Em 2019, Izelda e o esposo Orides aderiram ao SPDH. A área foi sendo ampliada e já são 3 hectares de cultivo nesse sistema. “Estamos muito satisfeitos com as mudanças e com todo o apoio da Epagri”, diz a agricultora.

EM 2020

• A Epagri acompanhou 149ha de mandioca em SPDH, principalmente no Sul de SC e na Grande Florianópolis.

• A Empresa orientou 2.359 famílias no cultivo de mandioca de mesa e para indústria.

• A Epagri atendeu 10.557 famílias em olericultura.

Conheça essas e outras histórias de sucesso no Balanço Social 2020 da Epagri: https://docweb.epagri.sc.gov.br/pub/DOC_48772.pdf

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias