Terça, 30 de Novembro de 2021
29°

Tempo aberto

Cafelândia - PR

Geral Espiritualidade

A Árvore do Conhecimento

A obra de Lúcifer na humanidade

13/11/2021 às 09h07 Atualizada em 13/11/2021 às 11h08
Por: Roberto C. P. Junior Fonte: O Dia Sem Amanhã
Compartilhe:
A Árvore do Conhecimento

Há longos tempos, no início do desenvolvimento humano, o arcanjo Lúcifer foi enviado para amparar a humanidade em seus caminhos de evolução espiritual. Contudo, ele escolheu seu próprio método para isso, um método falso, não desejado pelo Criador, baseado em tentações. E assim ele acabou se tornando o “mentiroso e pai da mentira” (Jo8:44), apresentando aos homens a razão, que deveria ser um mero adubo para o plantio das faculdades espirituais, como já sendo o mais precioso fruto que lhes era dado cultivar no mundo material.

Para fazê-los esquecer de que se originaram do reino espiritual, na Luz, o arcanjo caído apontou-lhes a luz de seu próprio raciocínio. Essa situação é indicada alegoricamente no Gênesis com a imagem da serpente incitando o casal humano a experimentar o “fruto da árvore do conhecimento” (cf. Gn3:1-6).

E, de fato, ao provar desse fruto o ser humano se inebriou. E julgou ser poderoso, grande e forte, invencível. Nada lhe parecia impossível com as capacitações recém-adquiridas de seu intelecto. Desse modo, o raciocínio, que deveria ser propriamente apenas um instrumento do espírito, passou a dirigir o destino dos seres humanos.

Este foi o assim chamado pecado original, que acabou desencadeando todos os demais. Tal pecado consistiu em elevar o raciocínio, que deveria permanecer um mero executor da vontade espiritual, à posição de dirigente reservada ao espírito e à sua voz – a intuição.

A imagem bíblica disso é a do casal humano que sucumbe aos ditames da razão, a qual desperta neles um sentimento de querer-saber-melhor que se coloca acima das disposições do seu Criador.

A partir daí o raciocínio passou a ditar a conduta da raça humana. O pecado havia entrado no mundo. O próprio espírito do ser humano não mais conseguia se fazer valer e, consequentemente, não mais se desenvolvia. Ao contrário, atrofiava-se mais e mais em razão dessa inatividade forçada. Sua voz, a intuição, tornava-se cada vez mais baixa, até virar um sussurro, que mal podia ser percebido. Nada mais conseguia suplantar a força crescente do raciocínio, colocado num trono de soberano que não lhe pertencia.

Se quando provou da árvore do conhecimento a humanidade tivesse ao mesmo tempo regado o jardim de suas aptidões espirituais, como dela era esperado, teríamos hoje um Paraíso na Terra. Como isso não aconteceu, temos de sobreviver num mundo dilacerado pelo ódio, conspurcado pela cobiça, envenenado pela inveja e afundado na miséria. É o mundo que o intelecto tem a oferecer quando dissociado do espírito, o qual, unicamente, é capaz de fazer do ser humano um ser... humano.

(Conheça as obras publicadas pela Ordem do Graal na Terra.)

Este post em áudio.

______________________________

Confira os posts desta página já convertidos em áudio acessando as plataformas a seguir:

→ YouTube: bit.ly/YT-ODSA

→ SoundCloud: bit.ly/Sound-ODSA

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
O Dia Sem Amanhã
O Dia Sem Amanhã
Sobre Roberto C. P. Junior é espiritualista, mestre em ciências, membro da Academia de Letras e Artes de Portugal e autor de seis obras, dentre as quais: O Dia Sem Amanhã, O Filho do Homem na Terra e Jesus Ensina as Leis da Criação, todas publicadas pela Ordem do Graal na Terra, da qual é membro –> bit.ly/livros-OGT. É responsável pela página "O Dia Sem Amanhã" no Facebook, pelo blog odsa.com.br e canal bit.ly/ODSA-YT.
Anúncio
Ele1 - Criar site de notícias