Domingo, 16 de Junho de 2024
17°

Parcialmente nublado

Cafelândia, PR

Geral Espiritualidade

Considerações Sobre a Dor

Dores e sofrimentos, no fundo, são auxílios inestimáveis.

25/05/2024 às 10h35
Por: Roberto C. P. Junior Fonte: O Dia Sem Amanhã
Compartilhe:
Considerações Sobre a Dor

Não resta dúvida de que ela é a mais detestada e combatida das sensações humanas. E a mais temida também. Talvez só o medo da morte ainda sobrepuje o de ser atingido por uma dor profunda. 

E não se diga que estamos indefesos. Contamos hoje com um imenso e variado arsenal, constantemente aperfeiçoado, para o combate às dores de múltiplos tipos e etiologias. Agudas ou crônicas, físicas ou anímicas, para cada qual existe uma bem determinada arma, de calibre adequado. Dispomos desde armas leves, como analgésicos, calmantes e terapia de grupo, até as mais pesadas, como opiáceos, antidepressivos e internação. Há quem lance mão até de armamentos perigosos e não recomendados, como álcool, alucinógenos e hipnose. Guerra é guerra. 

Mas por que temos de travar compulsoriamente essa guerra aparentemente sem fim? A vida inteira parece realmente uma luta contínua contra a dor, ou, melhor dito, uma luta para se livrar dela, para escapar de ser alcançado por ela. 

A dor física, na verdade, tem uma função de preservação. Ela protege o corpo de danos externos e nos força a agir para corrigir disfunções internas. O resultado é a possibilidade de continuarmos a viver com um corpo sadio, funcionando com perfeição. A dor corpórea é, por conseguinte, uma verdadeira dádiva da natureza, uma proteção absolutamente indispensável. 

Quanto às dores de alma, a história se repete. Quem já experimentou uma dor deste tipo e o número destes cresce continuamente – sabe avaliar quão indizível é o sofrimento acarretado por ela. Um sofrimento tão atroz, que da mesma maneira que com as dores físicas, também nos força a agir, a fazer algo para nos libertar da angústia, da depressão, do medo, do pânico. A única diferença aqui é que as disfunções que desencadeiam este tipo de dor provêm do próprio âmago do ser humano. Por isso, o remédio mais indicado é aquele que atua diretamente na alma, isto é, a própria vontade do indivíduo, que força assim uma mudança em sua sintonização interior, o que naturalmente se reflete também em suas palavras e pensamentos. Tudo isso, naturalmente, sem abrir mão da necessária terapia clínica. 

Assim, da mesma maneira que a física, a dor anímica é uma bênção natural. Compele-nos a redirecionar o nosso íntimo, aproximando-nos do modo correto de viver, cuja principal característica é, justamente, a ausência de dor. 

Roberto C. P. Junior

Este post em áudio

Confira os posts sonorizados desta página em nosso canal no YouTube.

Conheça as obras publicadas pela Ordem do Graal na Terra.

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
O Dia Sem Amanhã
O Dia Sem Amanhã
Sobre Roberto C. P. Junior é espiritualista, mestre em ciências, membro da Academia de Letras e Artes de Portugal e autor de seis obras, dentre as quais: O Dia Sem Amanhã, O Filho do Homem na Terra e Jesus Ensina as Leis da Criação, todas publicadas pela Ordem do Graal na Terra, da qual é membro –> bit.ly/livros-OGT. É responsável pela página "O Dia Sem Amanhã" no Facebook, pelo blog odsa.com.br e canal bit.ly/ODSA-YT.
Cafelândia, PR Atualizado às 01h01 - Fonte: ClimaTempo
17°
Parcialmente nublado

Mín. 15° Máx. 27°

Seg 26°C 15°C
Ter 23°C 18°C
Qua 29°C 15°C
Qui 20°C 18°C
Sex 28°C 15°C
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes
Ele1 - Criar site de notícias