Sexta, 03 de Dezembro de 2021
33°

Poucas nuvens

Cafelândia - PR

Justiça Justiça

Com mais de 20 mil atendimentos, Centro de Informação para Refugiados completa cinco anos

O Centro conta com funcionários que falam inglês, espanhol, criolo haitiano, árabe, francês e japonês.

30/09/2021 às 10h32
Por: Fonte: Da Agencia AEN
Compartilhe:
Em outubro, Centro de Informação para Refugiados da Secretaria de justiça completa cinco anos com mais de 20 mil atendimentos. Foto: SEJUF
Em outubro, Centro de Informação para Refugiados da Secretaria de justiça completa cinco anos com mais de 20 mil atendimentos. Foto: SEJUF

 

Com mais de 20 mil atendimentos, mantendo as atividades mesmo durante a pandemia, o Centro de Informação para Migrantes, Refugiados e Apátridas (Ceim) completa em outubro cinco anos de atuação.

O serviço é vinculado ao Departamento de Promoção e Defesa dos Direitos Fundamentais e Cidadania da Secretaria da Justiça, Família e Trabalho. O secretário da Justiça, Ney Leprevost, fala sobre o atendimento,

“O volume de atendimentos demonstra o compromisso da atual gestão em receber com dignidade as famílias que vêm em busca de uma nova vida, de novas oportunidades”.

O Centro conta com funcionários que falam inglês, espanhol, criolo haitiano, árabe, francês e japonês. Os imigrantes são encaminhados para fazer o CPF; Cartão de Registro Nacional Migratório (CRNM); protocolo de refúgio; Carteira Nacional de Habilitação, além de outros atendimentos nas áreas de assistência social, educação, saúde, de garantias de direitos, projetos de capacitação profissional e, ainda, para a Defensoria Pública do Estado.

O Ceim já atendeu migrantes, refugiados e apátridas de pelo menos 50 nacionalidades – a maioria veio da Venezuela, Haiti, Cuba, Síria, Marrocos, Senegal e Afeganistão. A servidora Kelly Letchkoski, que atende na linha de frente do Ceim, complementa que,

“A maior parte dos migrantes que procuram o nosso serviço tem entre 25 e 50 anos, com a predominância de homens. Porém, nos últimos meses observamos a chegada de famílias inteiras, com a mãe sendo chefe de família. Eles procuram por capacitação, cursos gratuitos, regularização de diplomas”.

 

VIDA NOVA

O venezuelano Nelvison Hernandes chegou ao Brasil há três anos. O Ceim o ajudou com o encaminhamento de currículo para vagas de emprego,

“Graças ao centro tive meu primeiro emprego em um supermercado, onde estou até hoje como operador”.

Aos 37 anos, ele está estabelecido em Curitiba, com uma filha que nasceu logo após a sua chegada ao Brasil. Mora também com um irmão, uma cunhada, um primo e uma sobrinha.

 

 

Siga o Jornal Integração nas redes sociais e fique bem informado:
Facebook: https://www.facebook.com/jornalintegracaopr/
Instagram: https://www.instagram.com/jornalintegracaopr/

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias