Sexta, 03 de Dezembro de 2021
33°

Poucas nuvens

Cafelândia - PR

Justiça Internacional

Argentina regulamenta cotas para pessoas trans no serviço público

Foi regulamentado, em janeiro, o Registro de Anotação Voluntária de Travestis, Transexuais e Transgêneros.

01/03/2021 às 10h10 Atualizada em 01/03/2021 às 10h21
Por: Giovanna Trevelin Fonte: Redação Hypeness
Compartilhe:
O Exército argentino é um dos órgãos oficiais que devem destinar cotas a pessoas trans. Fotos da matéria: Getty Images
O Exército argentino é um dos órgãos oficiais que devem destinar cotas a pessoas trans. Fotos da matéria: Getty Images

A Argentina deu um passo histórico no caminho da inclusão social. Foi regulamentado, em janeiro, o Registro de Anotação Voluntária de Travestis, Transexuais e Transgêneros. A medida é um desdobramento de um decreto presidencial de cotas trabalhistas assinado em setembro e que dá a pessoas trans o direito a ocupar 1% das vagas de emprego do setor público. 


A bandeira arco-íris é erguida durante a Marcha do Orgulho LGBT, em Buenos Aires, na Argentina, em 2019.

A cerimônia de apresentação do Registro foi feita no Salão da Mulher da Casa Rosada, sede da presidência da República, e contou com a participação de integrantes do movimento LGBTQIA+.

O sistema nacional promete funcionar como um banco de dados de pessoas trans que desejam entrar para alguma vaga no setor público. Ao realizar o cadastro, a pessoa coloca seu nome na lista monitorada pelo governo para selecionar os perfis adequados para cada ocupação. 

No decreto assinado pelo presidente Alberto Fernandéz, em setembro, o governo ressalta que “toda travesti, transexual ou transgênero tem direito a um trabalho decente e produtivo, a condições de trabalho justas e satisfatórias e à proteção contra o desemprego, sem discriminação em razão da identidade de gênero ou de sua expressão, para os quais não se possam estabelecer os requisitos de empregabilidade que obstruam o exercício desses direitos”.

“Por meio de diversos instrumentos internacionais de proteção dos direitos humanos, a República Argentina assumiu o compromisso de respeitar e garantir que todos os seres humanos nasçam livres e iguais em dignidade e direitos; que têm todos os direitos e liberdades sem distinção de etnia, raça, cor, sexo, língua, religião, opinião política ou de qualquer outra natureza, origem nacional ou social, posição econômica, nascimento ou qualquer outra condição”, ressalta o texto. 

O Exército argentino é um dos órgãos oficiais que devem destinar cotas a pessoas trans.

 

Leia também: Advogada prioriza proteção das mulheres e atende exclusivamente o público feminino

 

Siga o Jornal Integração nas redes sociais e fique bem informado:

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias